O vinho Lanzarote da casta Malvasía Volcánica proveniente de vinhas únicas no mundo na lava, e isso parece um milagre, vive um boom. Nos últimos quatro anos o número de vinícolas dobrou, atualmente são 21 na Denominação de Origem. 60% das uvas das Ilhas Canárias são encontradas em Lanzarote, com 2.000 hectares de vinhas.

São terras muito pequenas e de rendimento muito baixo. Apenas 1.500 quilos de uvas por hectare, em comparação com os 6.000 quilos que podem ser alcançados em Rioja ou Ribera del Duero. Aqui todas as tarefas são manuais, com caixas de 20 quilos de uvas no ombro, e até que o motor chegasse, era colhido em dromedário. O grande consumo de vinho fica na ilha.

 

Viticultura vulcânica: a origem do vinho de Lanzarote

 

A erupção do vulcão Timanfaya, entre 1730 e 1736, que cobriu grande parte da ilha de cinzas, com alturas de até 15 centímetros, mudou a agricultura. Foi re-cultivado em lava, vinhas e árvores frutíferas. Foi visto que ficou mais fértil do que antes. Isso ocorre porque o cinzas vulcânicas ele atua como minúsculos reservatórios de água que capturam a umidade. O solo é muito poroso e a planta absorve a água de que necessita. Além disso, durante o dia impede a passagem dos raios solares. E isso é essencial em uma ilha de clima desértico cujo principal problema é a água. Em Lanzarote, a precipitação média é de apenas 150 mm por ano. Em 2020, apenas 40 litros caíram. É nas Ilhas Canárias que chove menos junto com Fuerteventura, devido à altura e proximidade do deserto do Saara. Os ventos alísios deixam umidade, mas não despejam água porque o fazem a partir de 1.000 metros.

Barracos. Foto: Monica Uriel

Barracos. Foto: Monica Uriel

Malvasia vulcânica, a variedade rainha

 

A seca e as características do terreno tornam tudo mais forte. Tudo isso faz com que as sensações florais na boca durem mais, sendo notadas principalmente na boca. Malvasia Vulcânica. De origem grega, o vulcânico Malvasia chegou às Canárias no século XVI proveniente da Madeira, numa luta entre o homem e a natureza.

Malvasia vulcânica. Foto: Monica Uriel

Malvasia vulcânica. Foto: Monica Uriel

  1. As vinhas pré-filoxera, até 200 anos, podem caminhar livremente. São cultivados de quatro formas: em faixa ou em fila, perimetral e em vala, em buracos clássicos e em barracos. As cabanas são covas com 2,5 a 3 metros de diâmetro e 4 de altura para proteger a videira dos ventos. Eles têm paredes de pedra ao redor para evitar que a videira seja coberta por cinzas vulcânicas. Tudo isso é o esforço para tornar a terra fértil. Uma viticultura dura que continua até hoje e que corre o risco de não continuar com a mudança geracional.

 

Vinícola El Grifo

 

Os chabocos podem ser vistos em O grifo , uma das dez vinícolas de La Geria. É conhecida como a estrada do vinho. É a vinícola mais antiga das Ilhas Canárias e produz vinhos desde 1775. Abaixo da vinícola está El Grifo, uma das seis aldeias soterradas pelo Timanfaya. Tem 40 hectares, nos quais também existe a casta Moscatel, da qual existe pouca na ilha. Em 2018 a vinícola iniciou um projeto de isolamento de leveduras e já possui três em Lanzarote. Um dos seus vinhos mais premiados é o Malvasía Lías.

Vinícola Los Bermejos

 

armazéns Los Bermejos  Possui instalações do século XVIII. Pertenceu a uma das famílias mais importantes de Lanzarote e em 2001 ganhou um novo impulso. Aí contam-nos que na ilha as adegas “muitas vezes se mantêm mais por amor do que por espectáculo. Na maioria dos casos, é uma segunda atividade, uma segunda fonte de renda ”. Esta adega produz um vinho curioso, o espumante Malvasía Brut Nature Bermejo.

 

Vinícola La Geria

 

No coração da estrada do vinho você encontrará Vinícola La Geria, a apenas oito quilômetros de Timanfaya. É uma das vinícolas mais visitadas da Espanha. O seu enoturismo recebe 1.500 visitas por dia. A adega data de 1890 e o actual proprietário a comprou em 1990. Tal como as outras, o que mais vende é o Malvasía Seco, embora ultimamente tenha havido uma forte atracção do frutado Malvasía. Seus vinhos doces incluem La Geria Moscatel e Antigua Malvasía Volcánica Dulce, um vinho gourmet de edição limitada. 

Vinícola La Geria. Foto: Monica Uriel

Vinícola La Geria. Foto: Monica Uriel

Vinícolas Rubicón

A mais antiga, do ano 1570, é a casa da fazenda onde está localizada Vinícolas Rubicón  e que no passado abrigou a Igreja da Caridade. Em 1979 passou a funcionar como adega. O Rubicon Moscatel é o vinho estrela da casa, aquele com mais prêmios. A vinícola acaba de lançar no mercado o tinto Amalia, de Listán Negro.

Variedades de vinho de Lanzarote

ação

DEIXE UM COMENTÁRIO

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.