Fraude presumida em Valdepeñas, por quê?

O escândalo no mundo do vinho por um alegado fraude em Valdepeñas. Especificamente de quatro vinícolas da Denominação de Origem. A alegada fraude foi baseada na comercialização de garrafas de vinho rotuladas como envelhecimento, reserva e grande reserva inadequadamente. De acordo com a denúncia do Ministério Público, estas adegas vendem estes vinhos há anos quando não cumpriam os requisitos de produção ou o período mínimo de envelhecimento, nem em barricas nem em garrafas.

As quatro vinícolas que supostamente realizaram a fraude são Félix Solís, García Carrión, Navarro López e Fernández Castro. Todos eles comerciantes de vinhos da Denominação de Origem Protegida Valdepeñas. Dessa forma, essas empresas, juntamente com seus administradores, são investigadas por fraude, publicidade enganosa e falsificação de documentos. Por este motivo, o juiz autorizou a prosseguir com a investigação para esclarecer os tipos de vinhos comercializados por cada uma destas adegas entre 2010 e 2019, bem como suas condições comerciais.

suposta fraude em fraude de rótulos de vinho Valdepeñas no DO Valdepeñas

Garrafas de vinho / Foto: vinovaldepeñas

Os números não somam a esta fraude em Valdepeñas

Ambos os valores reportados à Denominação de Origem Protegida Valdepeñas como declarado durante a inspeção eles não somam as vendas feito por essas vinícolas. Se analisarmos o caso de Félix Solís, ele teria vendido 472.745 litros de crianza a mais do que os declarados e 146.706 litros de reserva. García Carrión vendeu três milhões de litros de vinho Gran Reserva a um único cliente quando declarou menos de um milhão ao DOP.

No caso das outras duas adegas, o caso de Fernando Castro surpreende com uma diferença de vendas para Alcampo de 1.367% nos vinhos de envelhecimento, e 1.941% nos vinhos de reserva. No caso da Bodegas Navarro López, ela vendeu mais de 90 mil litros a mais do que os declarados em cada categoria.

Reclamações de entidades agrícolas

Todo o caso começou com as queixas de COAG, ASAJA e UPA, alegando que os vinhos embalados não correspondiam à qualificação dos rótulos. É por isso que a promotoria começou a investigar. Meses depois, o grupo García Carrión foi adicionado à denúncia. Esta empresa afirmou que não havia controle suficiente no DO. e que era dirigido por pessoas intimamente ligadas ao Grupo Félix Solís.

Como se pode verificar na investigação, o pouco controle daqueles anos no DO Valdepeñas tem levado algumas vinícolas a aproveitar o momento e, supostamente, venderam, de forma fraudulenta, muitas garrafas de vinho.

Tudo isso de fraude em Valdepeñas afetará significativamente o prestígio do DO que você só consegue recuperá-lo com um controle que é auditado e também com bastante tempo. O prestígio do vinho espanhol também pode afetar, já que esta Denominação de Origem vende mais de 70 milhões de garrafas, embora ninguém saiba mais quantos, mas tem uma grande presença internacional que vai diminuir de alguma forma. Veremos como tudo isso acaba.

Espalhar o amor

DEIXE UM COMENTÁRIO

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.